Autores cristãos

Abraham Kuyper

Abraham Kuyper (Maassluis, 29 de outubro de 1837Haia, 8 de novembro de 1920) foi um político, jornalista, estadista e teólogo holandês. Ele fundou o Partido Anti-Revolucionário e foi Primeiro-Ministro dos Países Baixos entre 1901 e 1905.

Kuyper foi educado em casa por seu pai, Jan Frederik Kuyper, que foi ministro da Igreja Reformada Holandesa, em Hoogmade, Maassluis, Midelburgo e Leida. Não teve educação formal primária, mas recebeu o ensino secundário no ginásio (português brasileiro) (liceu [português europeu]) de Leida.

Em 1855 terminou o ensino secundário e começou a estudar literatura, filosofia e teologia na Universidade de Leiden. Ele recebeu seu propedeuse na literatura em 1857, summa cum laude, e em Filosofia em 1858, também summa cum laude. Ele também teve aulas de árabe, armênio e física.

Em 1862 ele foi promovido a doutor em Teologia na base de uma dissertação chamada “Historico Disquisitio-theologica, exhibens Johannis Calvini et Johannis à Lasco de Ecclesia inter Sententiarum compositionem se” (dissertação Teológico-histórica que mostra as diferenças entre as regras da igreja, João Calvino e Jan Laski. Ao comparar as visões de João Calvino e Jan Laski, Kuyper mostrou uma clara simpatia pela de Laski, mais liberal. Durante seus estudos Kuyper foi um membro da tendência moderna dentro da Igreja Reformada Holandesa.

Em maio de 1862 foi declarado elegível para o ministério e 1863, aceitou um convite para se tornar ministro da Igreja Reformada Holandesa da cidade de Beesd. No mesmo ano, casou-se com Johanna Hendrika Schaay (1842-1899). Eles tiveram cinco filhos e três filhas. Em 1864, ele começou a se corresponder com o anti-revolucionário MP Guillaume Groen van Prinsterer, que influenciou fortemente suas concepções políticas e teológicas.

Cerca de 1866 ele começou a simpatizar com a tendência ortodoxa dentro da Igreja Reformada Holandesa, tendo sido inspirado pela fé simples reformada de Pietje Balthus, a esposa de um fazendeiro. Ele começou a opor-se à centralização na igreja, ao papel do rei e a defender a separação de igreja e estado.

Em 1867 Kuyper foi convidado para ser ministro da paróquia em Utrecht e ele deixou Beesd. Em 1870 foi convidado para ir para Amsterdã. Em 1871 começou a escrever para o “De Heraut” ( “O arauto”). Em 1872, fundou seu próprio jornal “De Standaard” ( “o padrão”). Este jornal lançaria as bases para a rede da organização reformada, (o pilar reformado), que teria encontrado Kuyper.

 

Anselmo

Santo Anselmo nasceu em Aosta, filho de um nobre, e de uma mãe rica, Ermenberga. Seguiu a carreira religiosa, estudou os clássicos e escreveu sempre em latim. Foi eleito prior em 1063, porque era considerado inteligente e piedoso. Sua biografia nos é contada pelo seu discípulo, Eadmer.

Foi comum na Idade Média que os religiosos buscassem o apoio da na razão. Anselmo escreveu uma obra sobre esse assunto. É considerado um dos iniciadores da tradição escolástica. “Não só a habilidade dialética fez de Anselmo o precursor da Escolástica, como também o princípio teológico fundamental que adotou: fides quarens intelectum “a fé em busca da inteligência”. Foi ele também quem forjou uma nova orientação à teoria dos universais e que reverteu em grande proveito para os intuitos da Teologia racional”.[1]

Anselmo buscava um argumento para provar a existência de Deus, e sua bondade suprema. Fala que a crença e a fé correspondem à verdade, e que existe verdadeiramente um ser do qual não é possível pensar nada maior. Ele não existe apenas na inteligência, mas também na realidade. Anselmo desenvolveu uma linha de pensamento sobre essas bases, chamados de argumento ontológico, que foi retomada por René Descartes e criticada por Immanuel Kant, e ela estava numa obra chamada Proslógio. Ele parte do fato de que o homem encontra no mundo muitas coisas, algumas boas, que procedem de um bem absoluto, que é necessariamente existente. Todas as coisas tem uma causa, menos o ser incriado, que é a causa de si mesmo e fundamenta todos os outros seres. Esse ser é Deus. Seus argumentos não foram totalmente aceitos.

Anselmo chegou a arcebispo da Cantuária em 1093. Escreveu outras obras importantes, Do gramático e Da verdade, ambos em latim. Recebeu doações de terras para a Igreja, mas brigou com Guilherme, o ruivo, rei da Inglaterra pois não queria fazer comércio com os bens da Igreja. Isso foi considerado um desrespeito ao poder real, e Guilherme impediu Anselmo de viajar para Roma, desafiando o poder da Igreja.

Num dos seus primeiros livros, Monológio, em que apresenta sua visão de Deus, Anselmo fala que a essência suprema existe em todas as coisas e tudo depende dela. Reconhece nela onipotência, onipresença, máxima sabedoria e bondade suprema. Ela criou tudo a partir do nada. Anselmo procurava desenvolver um raciocínio evolutivo sobre o que considerava ser a verdade, que estava contida na Bíblia. Para Anselmo, o pensamento tem algo de divino, e Deus tem uma razão. Sua palavra é sua essência, e Ele é pura essência (essa noção não é nova) infinita, sem começo nem fim, pois nada existiu antes da essência divina e nada existirá depois. Para ela o presente, o passado e o futuro são juntos ao tempo, são uma coisa só. E Ela é imutável, uma substância, embora seja diferente da substância das outras criaturas. Existe de uma maneira simples e não pode ser comparado com a consciência das criaturas, pois é perfeito e maravilhoso e tem todas as qualidades já citadas. O verbo e o espírito supremo são uma coisa só, pois este usa o verbo consubstancial para expressar-se. Mas a maneira intrínseca que o espírito supremo se expressa e conhece as coisas é incognoscível para nós. O verbo procede de Deus por nascimento, e o pai passa a sua essência para o filho. O espírito ama a si mesmo, e transmite esse amor.

Para Anselmo, a alma humana é imortal, e as criaturas seriam felizes e infelizes eternamente. Mas nenhuma alma é privada do bem do Ser supremo, e deve buscá-lo, através da fé. E Deus é uno. Para contemplá-lo devemos nos afastar dos problemas e preocupações cotidianos e buscá-lo. Ele é onipotente embora não possa fazer coisas como morrer ou mentir. É piedoso, em parte por ser impassível, o que não o impede de exercer sua justiça, pois ele pensa e é vivo. Anselmo fala muito da crença divina do Pai, do filho e do espírito humano. Grandes coisas esperam por aquele que aceitar Deus e buscá-lo. Santo Anselmo influenciou muito o pensamento teológico posterior.

Atanásio

Atanásio de Alexandria (Alexandria, ca. 295 — Alexandria, 2 de maio de 373), bispo de Alexandria, considerado santo pela Igreja Ortodoxa e Igreja Católica (esta última reverencia-o também como um dos seus trinta e três Doutores da Igreja) e ainda um dos mais prolíficos Padres gregos.

Num documento de 367 ele fez uma lista de 27 livros, que são os livros do Novo Testamento, justamente para tirar as dúvidas com relação aos deuterocanônicos do Novo Testamento: a epístola aos Hebreus, II Epístola de Pedro, Apocalipse, epístola de Tiago, II e III João e a epístola de Judas.

Foi um dos defensores do ascetismo cristão, tendo inaugurado o género literário da hagiografia, com a Vida de Santo Antão do Deserto, escrita primeiramente em grego e logo traduzida para latim, tendo-se difundido com grande rapidez pelo Ocidente do Império Romano. Este género baseava-se nas Vitæ de autores romanos pagãos (v. g., as Vidas dos Doze Césares, de Suetónio); porém, o que Atanásio procura fazer é tornar as Vitæ um modelo a ser seguido por todo o rebanho cristão, e é nesse sentido que é visto como criador do género; o que relata não tem que ser necessariamente verdadeiro, antes deve infundir no crente cristão a vontade de cultivar esse mesmo modelo de vida

B.B. Warfield

Benjamin Breckinridge Warfield (05 de novembro de 1851 – 16 de fevereiro de 1921) foi professor de teologia no Seminário Teológico de Princeton de 1887 a 1921. Seria o último expoente de Princeton, antes das divergências de 1929 onde foram criados o Seminário de Westminster e a Igreja Presbiteriana Ortodoxa.

Por um curto período em 1876 ele pregou em igrejas presbiterianas em Concord, Kentucky e Dayton, Ohio, e recusou seu primeiro convite para se ordenar pastor. Se mudou com sua esposa para Alemanha em 1876. Foi o pastor adjunto da Primeira Igreja Presbiteriana de Baltimore, Maryland por um curto período de tempo. Então ele tornou-se um instrutor Western Theological Seminary, que agora é chamado de Pittsburgh Theological Seminary. Foi ordenado sacerdote em 26 de abril de 1879. Em 1887 Warfield foi nomeado para o Seminário Teológico de Princeton.

Ele advogou em prol do diaconato feminino [1], mesmo tendo dito que a “justificação escriturística para o mesmo á escassa” [2], cita o caso de Febe a diaconisa, onde tendo duas opções interpretativas, o texto deixaria a “indicação” que que havia diaconato femenino, e apresenta comentário a uma carta de 112 d.C. uma um carta entre cristãos da Igreja Primitiva de 112 d.C onde se usa o termo latino “ministrae” [3]

É um expoente teólogo e uma das principais referências dos defensores do cessacionismo, chegou a defender que alguns carismas, mesmo em tempos apostólicos, não foram verdadeiros, sendo um grande opositor do sobrenaturalismo no interior da Igreja.

Seguiu fielmente a Confissão de Fé de Westminster . Acreditava que a teologia modernista era problemática, uma vez que se baseava no pensamento do intérprete da Bíblia e não no autor divino das Escrituras. Ele pregou a doutrina do Sola Scriptura – que a Bíblia é inspirada palavra de Deus e é suficiente para o cristão a viver a sua .

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s